55% dos pais monitoram as atividades de seus filhos na internet

Há aproximadamente 5 anos trabalho em casa pela internet e tenho a oportunidade de ser um pai muito mais presente para minha filha. Como estou sempre em casa, procuro conversas muito com ela e ajudei na tarefa de criação dos perfis nas redes sociais, bem como nas questões de privacidade, além de manter uma relação de grande confiança na qual ela tem toda a liberdade de tirar todas as dúvidas em casa. Ensinei minha filha a usar todas as redes sociais que despertaram seu interesse e fui seu primeiro amigo e seguidor.

Agindo desta maneira, minha filha tem sempre como conversar em casa sobre suas dúvidas e problemas na internet e redes sociais sem qualquer tipo de controle ou repressão. Estabeleci uma relação de amizade e confiança, e procuro manter as coisas assim para que ela me veja sempre como um amigo disposto a ajudar.

No ano passado comecei a fazer palestras sobre internet e mídias sociais em escolas e pude entender melhor como as coisas funcionam do lado dos adolescentes, e também participei de um evento promovido pelo IG e Macafee para conversar com outros pais sobre Internet Segura e controle / monitoramento dos pais, sendo que consegui ter uma boa perspectiva dos dois lados da moeda.

Hoje encontrei um post que falava sobre uma pesquisa recente realizada com 2.000 usuários de internet no Reino Unido feito pela BullGuard (uma empresa de segurança da Internet), onde 55% dos pais diziam que ficavam sempre de olho no uso da internet pelos seus filhos verificando o perfil nas redes sociais, e dos pais que mantinham contas no Facebook para monitoramento, 29% admitiram que são superprotetores, enquanto 24% acreditam que esta é a única maneira de ver o que o filho está fazendo. Alguns pais ainda chegaram no ponto de configurar uma conta apenas para o único propósito de espionar as atividades dos filhos, além do interessante dado que demonstra que 16% dos pais que tentam ser “amigos” de seus filhos, 30% tem seus pedidos rejeitados.

Conversando com alguns alunos após as palestras pude constatar o óbvio, eles não gostam de nenhum tipo de vigilância ou monitoramento, e seriam capazes de criar perfis fake para escapar da vigilância dos pais, e se descobrissem qualquer ferramenta com esta finalidade instalada em seus computadores simplesmente deixariam de utilizar o equipamento, que seria substituído por celulares, iPod Touch ou até mesmo computadores das casas de amigos.

Eu sou contra o monitoramento ou espionagem das atividades do filhos na internet, e acredito que a melhor saída ainda é o bom e velho diálogo. Sei que as coisas são mais simples para um pai ou mãe que trabalha em casa, mas acredito que devemos sempre reservar um tempo para a educação e orientação dos nossos filhos, e vejo que isso pode fazer uma grande diferença para ajudar na criação de pessoas cada vez melhores!

E você, o que acha do monitoramento das atividades online dos filhos pelos pais? Deixe sua opinião nos comentários!

One Response

  1. Érico 15/07/2011

Leave a Reply