A corrida das lojas de aplicativos

Eu venho acompanhando de perto os lançamentos de aplicativos e games das lojas da Apple e Android, e a quantidade de papeis de parede, e-books ou temas de áudio que são despejados no mercado todos os dias é realmente uma vergonha. Na luta para ter a maior loja de aplicativos, as empresas liberam um péssimo conteúdo, aplicativos e games idênticos somente para fazer número, e a busca por material de qualidade fica cada dia mais complicada.

Será que não está na hora das empresas deixarem suas lojas mais limpas, organizadas e com conteúdo de qualidade? Veja este post do excelente N900, que comenta o assunto e ainda faz um paralelo com os títulos disponíveis para os aparelhos com o sistema operacional Maemo:

Interessante artigo onde o autor analisa os números da App Store, demonstrando que o número de 200.000 aplicações é muito enganador, assim como o número de 50.000 na loja do Android.

A análise é apenas sobre a App Store, mas eu acredito que se estende a todas as outras lojas, inclusive à Ovi Store.

Ele começa dizendo que uma em cada seis aplicações da App Store é um eBook. Que um único título, “Jane Eyre”, está disponível na forma de centenas de aplicações. Ou seja, 36.000 aplicações (do universo de 200.000) são eBooks, que na prática deveriam ser apenas uma única aplicação: um leitor de eBooks!

Na comparação com o Maemo, este possui apenas 1 ou 2 leitores de eBook, mas uma biblioteca com mais de 30.000 títulos disponíveis através do Projeto Gutenberg, facilmente baixados em qualquer computador, ou melhor ainda: através do próprio aparelho.

Continuando a análise, ele diz que 1 em cada 6 aplicações é um jogo. Alguns são muito bons, mas muitos outros são imitações e variantes de jogos como Tetris ou Bejeweled. Ou então mini-jogos que você instala, executa uma vez, e nunca mais lembra da sua existência. E muitos estão em 3 versões: gratuita, lite e completa.

No Maemo, graças a tragicomédia da Ovi (quase que literalmente traduzido), não temos praticamente jogos comerciais, à exceção do Angry Birds (que não pode vender os níveis extras) e do Bounce Evolution (que até hoje não vi o jogo completo para venda). Mas em compensação há o Flash, com seus milhares de jogos espalhados pela internet, e os emuladores.

A seção de entretenimento, com 10% de todas as aplicações, também é uma piada. Ordenando por “popularidade”, o vencedor é um chamado “Boobs & Thongs Lite” (tradução livre: seios & calcinhas). Sem contar as dezenas (centenas?) de aplicações de flatulência.

No texto ele cita mais alguns exemplos, e serve para demonstrar que na prática a quantidade alta de aplicações não significa necessariamente qualidade. E que essa “guerra” de quem faz mais downloads ou quem tem mais aplicações é ridícula.

Assim como é ridícula a Ovi Store na parte para Maemo, onde grande parte do que está disponível são vídeos, traillers de filmes e papéis de parede.

Mas em compensação os repositórios estão repletos de bons programas. Claro que muitos ainda crus, pois não possuem uma empresa por trás, e quem o desenvolve precisa também garantir a comida na mesa (traduzindo: só trabalha no aplicativo nas horas vagas). Mas será mesmo que os repositórios estão como as lojas oficiais: cheias de porcarias?

Minha opinião: não! Tem MUITA coisa boa e útil por lá. Ainda mais se considerarmos que a comunidade do Maemo.org é pequena se comparada com as outras…”

8 Comments

  1. Fabio 13/05/2010
  2. Marcelo Martins 13/05/2010
  3. Luiz Claudio 13/05/2010
  4. Rainor 13/05/2010
  5. Jorge 15/05/2010
  6. Afonso 15/05/2010
  7. Luiz Claudio 16/05/2010
  8. Marcelo 18/05/2010

Leave a Reply