IBGE reduz custo ao usar PDAs com Windows Mobile e GPS

pda_ibge

Quem me conhece sabe que eu já utilizei praticamente todas as plataformas móveis, começando pela Palm, PocketPC, Symbian e em breve acredito que estarei utilizando um iPhone para testes. Acho que para poder falar sobre o assunto sem ser radical é necessário ter um conhecimento mínimo para poder falar com propriedade. Durante vários anos utilizei a plataforma Windows Mobile, onde pude conhecer as virtudes desta plataforma, principalmente para o meio corporativo, onde ela sempre mostra sua força. Os sistemas desenvolvidos para Windows Mobile geralmente são muito estáveis e tem uma integração com os softwares de banco de dados perfeita.

Um case muito interessante e recente foi o do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que por mais de 30 anos conseguiu alcançar uma grande evolução em todo o seu sistema de informações, menos no trabalho do pesquisador, que continuava utilizando papel e caneta para realizar o seu trabalho. O trabalho com o papel e caneta acabava gerando uma grande demora na conclusão das pesquisas, alto custo do papel, seu armazenamento e transporte, erros de interpretação e digitação, além da necessidade de mais mão-de-obra para inserir as informações nos sistemas do IBGE.

Afim de reduzir os custos, prazos e aumentar a confiabilidade das informações, o IBGE resolveu partir para uma verdadeira evolução de seu processo de trabalho de campo, buscando uma solução que equipasse com PDAs e GPS mais de 82 mil recenseadores, em substituição dos velhos questionários de papel. No final das contas a plataforma escolhida foi a Microsoft.

Com os PDAs os pesquisadores podem corrigir uma informação anotada de forma incorreta ou detectar de forma automática os dados inconsistentes no momento da inserção. Na época dos formulários de papel, muitas vezes era necessário retornar ao local da pesquisa para corrigir uma informação incorreta. Com o novo processo de trabalho com o PDA, todos os dados inseridos são transferidos diretamente para o banco de dados do IBGE, o que eliminou os questionários de papel, os trabalhos de digitação ou escaneamento das informações.

O que realmente me impressionou neste projeto foi o prazo para estabelecer todas as especificações, licitações, contratações, compras de produtos e o completo desenvolvimento da solução e as sessões de treinamento de pessoal, um total de 10 meses. Neste período a Microsoft em parceria com a Allen Informática e a SightGPS, empresa escolhida para fornecer os PDAs, apresentou uma solução baseada em Pocket PC rodando o Microsoft Windows Mobile 5.0, com o recebimento dos dados e a centralização das informações no Microsoft SQL Server Enterprise 2005.

Os números do projeto também impressionam, sendo que foram comprados 82 mil Pocket PCs, 82 mil licenças de Windows Mobile 5.0 e SQL Server Mobile e o sistema de banco de dados Microsoft SQL Server Enterprise 2005, rodando em servidores equipados com Microsoft Windows Server 2003 R2 Enterprise e Standard. Os equipamentos foram preparados para receber as informações da Contagem da População (sexo, idade e migração das pessoas entre os estados brasileiros), que deve pesquisar cerca de 30 milhões de domicílios, e do Censo Agropecuário. Os PDAs foram fornecidos pela empresa Mitac, que havia desenvolvido uma solução de PDA com GPS integrado que serviu como uma luva para o projeto, sendo ainda adicionada uma capa protetora para dar ao equipamento a resistência necessária para enfrentar um trabalho tão grande e intenso quanto o desenvolvido pelo IBGE. Para fechar o trabalho, foram equipados cerca de 532 agências permanentes, 574 postos de atendimento e milhares de órgãos públicos com computadores com acesso à Internet em banda larga via satélite e ADSL, somados a mais de 4,4 mil locais de coleta não informatizados. Ao chegar chegar a um desses locais, basta descarregar as informações do PDA via Bluetooth, que todas as informações são encaminhadas direto para o centro de processamento do IBGE no Rio de Janeiro.

Um processo de trabalho que demorava um tempo enorme e ainda tinha uma grande possibilidade de erros foi reduzido a um prazo máximo estimado em 4 meses, da coleta dos dados até o conhecimento dos resultados da pesquisa, o que é um avanço impressionante. O custo total do projeto foi de R$ 115 milhões, sendo R$ 88 milhões destinados para a compra dos aparelhos. Acredito que o retorno deste investimento deverá acontecer em um prazo relativamente curto, tendo em vista a grande redução do tempo do pessoal em campo, a extinção de alguns processos de trabalho e a total eliminação do papel e seu custo de matéria prima, transporte e armazenamento.

Apesar de gostar e utilizar atualmente smartphones com sistema operacional Symbian, eu acredito que o IBGE não poderia ter efetuado uma escolha mais acertada, principalmente pelo fatos de que o aprendizado no Windows Mobile é muito rápido e fácil, os aparelhos geralmente são muito robustos, suportam bem o trabalho de campo e tem uma integração perfeita com os bancos de dados. Este certamente é mais um belo exemplo de como as soluções móveis podem facilitar a vida das empresas, aumentando a produtividade dos funcionários, confiabilidade das informações e reduzindo o custo total da operação. Este post tem um conteúdo de publieditorial.

Fonte: Convergencia Digital.

3 Comments

  1. Cesar Manzione 12/06/2008
  2. Paulo Mota de Oliveira 06/09/2010
  3. Paulo Mota de Oliveira 06/09/2010

Leave a Reply