Serginho Groisman está na campanha contra o bullying – e você, encara esta luta com a gente?

Hoje eu encontrei um post muito interessante publicado por minha amiga Samegui que vale muito a pena ler!! A causa é mais do que nobre e merece o apoio de todos, para que seja possível ajudar a construir uma internet melhor para todos!!

Veja o post da Sam na íntegra:

O termo em inglês é utilizado para designar atos de violência física ou psicológica intencionais e repetidos contra alguém.”

A ideia da campanha nasceu no Altas Horas, quando o programa recebeu o menino Felipe Matos (que vi e me emocionou profundamente com a coragem do garoto em se declarar vítima do bullying). Serginho alerta para as consequências psicológicas que os atos de bullying podem causar e incentiva as conversas entre pais e filhos, amigos e escola.

 

Soube, num post do Todos pela Educação, de um projeto carioca interessante que busca reduzir o comportamento agressivo entre jovens. E foi lá no site da Abrapia que achei estas dicas para pais de “bullies” (os agressores). Se você for informado de que seu(sua) filho(a) é um(a) autor(a) de bullying:

  • Saiba que ele(a) está precisando de ajuda.
  • Não tente ignorar a situação, nem procure fazer de conta que está tudo bem.
  • Procure manter a calma e controlar sua própria agressividade ao falar com ele(a). Mostre que a violência deve ser sempre evitada.
  • Não o(a) agrida, nem o(a) intimide; isso só iria tornar a situação ainda pior.
  • Mostre que você sabe o que está acontecendo, mas procure demonstrar que você o(a) ama, apesar de não aprovar esse seu comportamento.
  • Converse com ele(a): procure saber porque ele(a) está agindo assim e o que poderia ser feito para ajudá-lo(a).
  • Garanta a ele(a) que você quer ajudá-lo(a) e que vai buscar alguma maneira de fazer isso.
  • Tente identificar algum problema atual que possa estar desencadeando esse tipo de comportamento. Nesse caso, ajude-o(a) a sair disso.
  • Com o consentimento dele, entre em contato com a escola; converse com professores, funcionários e amigos que possam ajudá-lo(a) a compreender a situação.
  • Dê orientações e limites firmes, capazes de ajudá-lo(a) a controlar seu comportamento.
  • Procure auxiliá-lo(a) a encontrar meios não agressivos para expressar suas insatisfações.
  • Encoraje-o(a) a pedir desculpas ao colega que ele(a) agrediu, seja pessoalmente ou por carta.
  • Tente descobrir alguma coisa positiva em que ele(a) se destaque e que venha a melhorar sua auto-estima.
  • Procure criar situações em que ele(a) possa se sair bem, elogiando-o(a) sempre que isso ocorrer.

35 Comments

  1. scheldon 08/06/2010
  2. Henrique Schroder 08/06/2010
  3. Rogatti 09/06/2010
  4. Vanderlei 09/06/2010
  5. Cristiane 01/07/2010
  6. CLAUDIA MICHELS 07/07/2010
  7. Vania Sandeville 09/07/2010
  8. phelippe 12/07/2010
  9. Rosenice 12/07/2010
  10. Fátima Gomes Pereira 30/07/2010
  11. Waldy Aguiar Brito 02/08/2010
  12. solange augusto de souza 03/08/2010
  13. Juliane Nascimento 14/08/2010
  14. Juliane Nascimento 14/08/2010
  15. Juliane Nascimento 14/08/2010
  16. Isaura guimarães 14/08/2010
  17. VIVIANE MEDEIROS 05/09/2010
  18. Paula Satte Alam 14/09/2010
  19. Nairan Costa Bezerra Sousa 23/10/2010
  20. Luiz Machado 17/11/2010
  21. Carlos Guarise 01/12/2010
  22. sirlene 02/12/2010
  23. Silvia 15/12/2010
  24. Silvia 15/12/2010
  25. reginaldo 08/01/2011
  26. Marina 16/03/2011
  27. Marina 16/03/2011
  28. paulo araujo 19/03/2011
  29. Beatriz 02/04/2011
  30. maria alves 30/05/2011
  31. Márcia ferreira 11/08/2011
  32. Candido da Cruz de Jesus 05/11/2011

Leave a Reply